A Praesul

De RuneScape Wiki
Ir para: navegação, pesquisa
A PraesulMembros
A Praesul.png
Um livo detalhando os eventos anteriores à Segunda Era envolvendo a Praesul.
Inglês The Praesul
Lançamento 30 de janeiro de 2017 (notícia)
De missão Não
Negociável Não
Equipável Não
Acumulável Mochila ícone.png Não
Desmontável Sem informação
Valor 1 moeda
Alquimia Não é possível usar alquimia.
Destruir Você recupera isso da estante de livros do seu Projeto de Obra Habitacional.
Em Morte Sempre mantém
Peso Peso 1 kg
A Praesul detalhe.png

A Praesul e um livro largado por Nex: Anjo da Morte. Esse livro é largado juntamente com O Presente Prometido. Obtê-lo é um requisito para a capa do mestre aventureiro. Os 8 jogadores que mais causarem danos ao chefe receberão ele como objeto garantido.

Monstros que largam[editar | editar código-fonte]

Monstro Nível de Combate Quantidade Raridade
Nex: Anjo da Morte 7000 1 1 Sempre

Trascrição[editar | editar código-fonte]

O seguinte texto é transcrito de Transcrição:A Praesul.

Meu palácio.

Como é estranho retornar aqui depois de tanto tempo! E mais estranho ainda que para mim pareceu uma eternidade de séculos, mas na verdade eu fiquei sepultada em gelo por milhares de anos mais. Demônios e Mahjarrats falam da passagem de milênios com um desgastante desinteresse, mas eu não sou como tais criaturas antigas.

E como é estranho ter passado tanto tempo presa em um templo desavisadamente construído em cima deste lugar, a apenas poucos metros de distância do meu santuário. Mas não importa. A rebelião e a guerra agora são história, por mais que ainda me pareçam recentes.

Eu construí este lugar aqui, nas profundezas subterrâneas, numa convergência dos elementos sombrios deste mundo. Meu senhor me prometeu uma fonte de poder, e eu preparei este local para abriga-Ia, mas graças ao traidor Zamorak, ela nunca foi entregue.

E como e estranho andar sobre o chão deste lugar sem os meus companheiros. Minhas dragas de sangue, mortas pelos tolos que me libertaram da minha prisão. Meu soldados, derrotados há muito tempo pelos saradoministas. E, claro, meus tribunos: Torva, Pernix e Virtus.

Antes deles, eu era uma arma. Antes deles, eu não era nada além de uma arma. Eles me ensinaram sobre a guerra, sim, e foi por isso que eu os recrutei, mas eles me ensinaram muito mais.

Torva, que era poderoso em batalha, também tinha se provado um líder dos homens. Assim como ele, eu não temia nada, mas Torva transformava sua coragem em inspiração e encontrava uma forma de compartilha-Ia com quem estivesse a sua volta. Humanos, ao contrário de demônios, conectam seu desempenho dramaticamente ao seu estado psicológico, e foi Torva quem me mostrou como manipular isso.

Os incríveis poderes de percepção ão de Pernix não se limitavam ao campo de batalha. Por trás da serenidade de sua máscara, ele estava sempre alerta, vigiando. Um pequeno rasgo na bainha das vestes de um Pontifex. O suor na testa de um soldado supostamente relaxado. Com Pernix, mais do que todos, eu aprendi a ler os sinais sociais, e então comecei a conseguir interagir com a sociedade.

E Virtus. Com os nihil eu aprendi somente a matar, e o meu senhor ficava muito satisfeito com o meu desempenho em batalha, mas Virtus acreditava em mais do que matança. Apesar de sua preocupação ter sido a proteção dos nossos aliados através de magia, ele me fez expandir a minha percepção do que um guerreiro - e até mesmo um ser vivo - poderia ser. Mas a primeira coisa que aprendi com ele foi a me defender; aquela mudança de uma abordagem para outra me fez questionar: o que mais poderia existir? E, assim, o mundo da estratégia se abriu para mim, e dali tudo se tornou possível.

Mas infelizmente meus tribunos há muito se foram. Somente uma me resta daquela época, para além dos mesquinhos e maquinadores mahjarrats: Carbona, a dançarina. Ela ainda anseia desesperadamente pelo nosso senhor? Através dos olhos de Pernix, os verdadeiros sentimentos dela sempre ficaram claros. Desde seu retorno, ela não teve um verdadeiro lar, sendo forçada a viver com Azzanadra, que eu sei que ela detesta. Talvez eu a convide para vir para cá, e juntas nós poderemos recriar uma pequena parte da grandiosidade do império.