Memórias do inquisidor (página 4)

De RuneScape Wiki
Ir para navegação Ir para pesquisar
Memórias do inquisidor (página 4) detalhe.png

Memórias do inquisidor (página 4) é uma página que pode ser obtida ao escavar no local de escavação dos restos mortais de inquisidor no Sítio de Escavação de Senntisten. Descobrir esta página, juntamente com as outras memórias do inquisidor, é necessário para se concluir o mistério Arqueologia - Ícone Mistérios.pngSegredos da Inquisição.

Obtenção[editar | editar código-fonte]

Esta é uma lista automática (atualizar). Para ver todas as fontes desse objeto, clique aqui (incluir RDT). Para ajuda, veja o FAQ.

Transcrição[editar | editar código-fonte]

O seguinte texto é transcrito de Transcrição:Memórias do inquisidor (página 4).

Memórias de inquisidor 4

Não estávamos sozinhos em nossas dúvidas. Era claro que uma enfermidade havia se espalhado por toda a Inquisição. Até mesmo o implacável Kharshai parecia ter perdido a robustez em sua postura. O escritório da Inquisição ficou excepcionalmente quieto ao longo dos dias seguintes.

Sempre achei a noção de um escritório para a Inquisição algo contraintuitivo. Nós somos uma polícia secreta. Nós nos escondemos entre as estruturas da sociedade. Nós podemos ser soldados, diplomatas, alfaiates ou professores, mas também somos inquisidores. Nós somos o coração oculto da sociedade zarosiana, e ainda assim, temos um escritório. Um edifício no meio da praça do mercado, oposto ao Coliseu. Nossa localização é tão óbvia que não tem como não ser notada. Porém talvez esse seja o ponto. Não queremos que as pessoas saibam quem somos, porém queremos que elas saibam que nós existimos. Então, quando chegamos no quartel general, nós nos vestimos com roupas cerimoniais, com túnicas e máscaras para esconder a nossa identidade, é claro. Mas deixamos bem claro para os cidadãos do império que estamos aqui, e estamos sempre de olho.

Hoje quatro suspeitos de heresia tomaram a minha atenção. O primeiro era um humano chamando Tobed. Ele era um tipo estranho, quieto e gentil, porém quando ele falou, proferiu apenas blasfêmias. Ele gemeu que existiam outros deuses por aí com propósitos mais benevolentes, ou mais justos. Outro tolo que adora ao deus impostor Saradomin apenas porque seu semblante é humano. Somos uma espécie muito presunçosa.

A segunda era Alvina, a vampira. Alvina declarou sua inocência em todos os momentos do interrogatório. Tinham armado contra ela, alegou, ela era devota, gritou. Fomos o mais fundo que conseguimos, porém não encontramos sinais de mentiras ou heresia. Talvez ela fosse inocente. Apenas Zaros pode julgá-la agora.

Zadok era uma criatura estranha que se comunicava apenas por gestos e danças inúteis. Não pude decifrar nenhuma blasfêmia de fato com suas ações, e ser irritante não é um crime. Deixei que fosse embora.

Yokai, a necromante era a última herege na minha lista. Ela era uma mulher estranha, humana até onde consigo dizer, porém com uma escuridão própria. Ela respondeu a todas as minhas questões com uma honestidade que era quase cativante. Ela estava cavando no cemitério da cidade novamente. Quando perguntei por que, ela afirmou estar procurando a criatura monstruosa que fora selada ali. Ela falou sobre a corrupção aterrorizante que atormentou a cidade há muito tempo atrás. Um fungo gigante que ameaçou consumir e infectar a cidade, antes de ser combatido e selado abaixo dos nossos mortos. Um disparate, é claro.

Ao final disso, me encontrei olhando o arquivo de um dos nossos detentos mais recente, meu antigo parceiro Cassius. Ele estava diferente do soldado impiedoso da igreja que eu conhecera. Ele estava aos pedaços, em parte por conta da tortura pela qual nós o submetemos, mas principalmente em espírito. Perante a mim se encontrava o retrato da fé estilhaçada. Isso toma algo de uma pessoa: todo o vigor, toda a luz, como se isso arrancasse parte da alma do sujeito durante o processo.

"Nós estamos sozinhos". Ele murmurava. "Ele não está lá".

Tentei mudar a mente dele com palavras da escritura, porém ele não me deu ouvidos. Tentei mudar o coração dele argumentando que o império estava funcionando perfeitamente, portanto a mão de Zaros estava presente e nos guiando, porém ele se manteve indiferente. Seu espírito fragmentado não podia ser remontado aos tapas. No desespero, perguntei a ele como ele sabia disso. A resposta dele foi de gelar os ossos.

"A Sombra me disse."

Histórico de Atualizações[editar | editar código-fonte]

O projeto do histórico de atualizações é um trabalho em andamento. Para mais informações clique aqui.
atualização 16 de agosto de 2021 (Atualização):
  • Adicionado ao jogo.

  • Predefinição:Sítio de Escavação de Senntisten