Transcrição de Diário apodrecido

De RuneScape Wiki
Ir para: navegação, pesquisa

Não sei se você vai achar isto um dia. Não sei nem se você ainda vive. Cometi um grande pecado, e espero que ainda esteja. Espero do fundo do meu coração, maldito seja.

Fomos expulsos. Fomos expulsos por um invasor de outro mundo e os macacos malditos que se reuniram sob seu comando. É uma grande fera de imensa presa e fúria, armada com um grande berrante que virou a selva contra nós. Nosso mundo já não é mais nosso. Tudo que era dos Mwanu foi destruído e expulso. Em meros dias, esse invasor nos destituiu de tudo que éramos nós, e nos tirou as boas graças de Tezcasathla. Com o tempo, ele nos chamará de fracos e talvez tomará de volta o seu sangue. Talvez isso seja certo.

Fomos forçados a voltar para as partes mais sombrias da selva. As partes mais profundas. Os lugares proibidos e esquecidos. Longe de tudo que construímos, longe de tudo que conhecíamos. Somos tão poucos, e eles, com seu aliado imbatível, nos derrotaram.

Desejam remover todas as referências a nós, nos apagar completamente da sua história. Em meio a essa blasfêmia, eles renomearam até a nossa querida Jermyn: Bobonosia. Como se fosse o mundo deles para dar nome.

...

Não sei por que ainda escrevo aqui. Os outros acham que sou fraco, ou louco, pois me viro para as palavras em vez de lutar contra o mundo ao modo dos Mwanu. Mas não consigo não achar que nosso tempo acabou. Que somente a memória dos Mwanu poderá sobreviver nestas breves palavras.

Talvez eu tenha me entregado. Talvez estejam certos de me marginalizar.

Mas ainda assim espero que você encontre estas palavras, para que, se eu me for, você tenha algumas palavras para se lembrar de mim.

Nos retiramos para um grande lago no coração da selva. É uma vista estranha, mais escuro que os céus, e parece não refletir as estrelas. Talvez seja um lembrete de que Tezcasathla nos abandonou. Há algo estranho na água. Mergulho meus dedos e ela parece clara, mas o lago é completamente negro, como se descesse infinitamente até o coração do planeta, ou até mais longe. Nunca vi nada igual.

...

Estabelecemos uma pequena vila agora. Nada de mais, apenas abrigos rudimentares em vez de bases sólidas, mas é bom parar de andar. Nunca vou saber o motivo de termos escolhido este lago, mas aqui estamos.

O lago começou a sussurrar para mim.

Ele sabe o meu nome. Ele sabe o meu nome. Ele me diz que conhece o nome Jogador também, embora eu não saiba o que isso pode significar, nem quem é essa pessoa. Tudo que sei é que o lago me chama. Ele me promete me libertar da confusão, do sofrimento, até da morte.

Seria esta a misericórdia de Tezcasathla?

Será que ele compaixão?

...

Braços se levantaram do lago. Grandes braços negros. Sólidos e angulares como rochas desgastadas pela maré. Os braços de Tezcasathla em pessoa. Ele tenta nos alcançar, e as pessoas correm para o seu abraço.

Eu me contenho. Sozinho, eu me contenho.

Há algo de muito errado com aquelas águas paradas. Algo de muito errado com sua escuridão perfeita.

...

Agora há estrelas no lago.

Não são as estrelas que conheço.

...

Abracei as águas sussurrantes hoje.

Quando fiz isso, o mundo se desfez e me encontrei em lugar novo. Um novo céu, com apenas um sol. Um vasto oceano batendo contra o litoral de areia. Meus irmãos e irmãos ao meu redor, confusos, mas esperançosos.

Tezcasathla nos deu um novo lar.

...

Ainda ouço os sussurros.