Transcrição:Tomo despedaçado

De RuneScape Wiki
Ir para: navegação, pesquisa

Durante a grande Guerra dos Deuses havia seis irmãos que lutaram lado a lado contra as forças do mal. Seus fervores na guerra eram admirados e temidos por todos que os viam. Não se sabe nada sobre suas origens, somente que eles foram vistos primeiramente quando a legião do mal estava pressionando intensivamente contra as terras civilizadas.

Foi o mais velho que travou o primeiro passe na guerra, lançando magia de batalha poderosa na linha de soldados de seus inimigos abrindo uma passagem para que os outros quatro irmãos atacassem em plena força. Pouco se sabia ou se via dos seis irmãos naquele tempo, somente que quando um dos irmãos estava em perigo seu inimigo seria atacado com uma chuva de setas de balestras arremessadas. Aqueles que foram deixados não viriam seus salvadores até que a poeira baixasse, os seis irmãos se postavam em pé perante os corpos dos que caiam aos seus pés.

Durante anos esses irmãos lutaram bravamente contra seus inimigos, se lançando nas batalhas sem muito se preocuparem com sua própria segurança e confiando ajuda um no outro. Os soldados contavam histórias ao redor das fogueiras em acampamentos sobre as façanhas que teriam presenciado, eles se tornaram uma lenda logo de início.

Alguns dizem que eles sempre estiveram ali, mas ninguém sabe ao certo. O primeiro conto foi realmente depois de uma incursão para dentro das terras sombrias, onde mais uma vez os irmãos provaram seu valor. Foi depois de uma batalha que uma figura curvada e vagueando foi vista entre os corpos dos mortos. A maioria pensou que ele era um saprófago, mas ele se encaminhou para o campo de fogo dos irmãos com tanta objetividade que alguns de cara acharam que ele era mais uma companhia. Os irmãos reagiram com suspeita quando ele se aproximou, levantando-se de onde estavam com suas armas em riste. O estranho mal se postou perante eles e rapidamente, olhando-os antes de se voltar e sumir para dentro da névoa. Alguns dizem que foi a primeira vez que viram os irmãos inseguros.

Á medida que a companhia avançava para as terras sombrias, maior era a frequência com que aparecia, geralmente vigiando próximo a uma batalha. A coisa mais estranha foi como sua presença começou a afetar os irmãos, eles se tornaram distraídos e até recebiam golpes que mereciam cuidados.

Foi no coração das terras inimigas, no cair da noite, que o inimigo revidou. Monstros enormes varreram os campos rasgando tudo que estava em seus caminhos, os soldados se dispersaram como vento antes do ataque final. Os irmãos, valentes como sempre, se postaram um de costas para o outro e lutaram com todo o seu poder. Quando a noite caiu o inimigo terminou a batalha, saindo mais rápido do que qualquer homem poderia alcançar. Quando os soldados começaram a reconstruir o acampamento, os irmãos desabaram em seu campo de fogo, eles deitaram gemendo e murmurando em outras línguas. Suas feridas estavam infeccionadas, nenhum médico sabia o que fazer, não era como nenhuma infecção que eles já haviam visto antes. Ao passar dos dias os irmãos receberam cuidados enquanto os soldado aguardavam nervosos pelo restabelecimento de seus heróis. Então, assim como o sol se põe no horizonte, foi que toda a esperança se perdeu. Todos os irmãos deram seus últimos suspiros e morreram. Só então notaram a presença do estranho novamente, de pé fora do campo.

Naquela noite o campo foi cercado por grandes feras do inimigo novamente, mas eles não atacaram, eles evocaram os soldados a saírem e encontrá-los. E mais uma vez os inimigos sumiram sem deixar rastro ao cair da noite, deixando os soldados exaustos e com medo, sem uma noite de descanso. Naquele dia os comandantes decidiram regredir, eles não poderiam avançar sem a ajuda dos irmãos. Como de costume na época, pela honra e respeito aos irmãos mortos, eles construíram seis grandes catacumbas para os irmãos. Uma cripta para cada irmão foi feita com um montinho de terra que faria com que seus restos permanecessem inviolados pelos predadores. O trabalho durou muitos dias, toda noite o inimigo voltava e os soldados tinha que voltar para dentro de seus acampamentos para esperar o fim da noite ao som de uivos e arranhados nas cercas. Mas todos os dias eles avançavam em seus trabalhos, o respeito pelos irmãos era maior do que o medo das forças da terra sombria.

No último dia a tropa enterrou os irmãos dentro de suas tumbas de pedras, e com grande reverência, mas sem muita cerimônia, cobriram as tumbas com terra. Á medida em que o exército se virou para marchar de volta para suas terras, o estranho foi visto de novo, em pé sobre a catacumba central... alto perante a luz que sumia com seus braços esticados para o céu.

Nem todos da tropa original voltaram às suas terras, eles pereceram no caminho de volta, mas histórias são contadas sobre como toda noite um brilho intenso sobrenatural podia ser visto no horizonte onde os irmãos foram enterrados. E até hoje há histórias sobre esses montes de terra, das visões e sons que foram presenciadas ao seu redor.